imagem de topo do blog A Nossa Opinião; MAI - Liberdade e Segurança; 'Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e ideias por qualquer meio de expressão'.(artigo 19.º da Declaração Universal dos Direitos Humanos). [ imagem produzida pelos Gráficos à Lapa para este blog do MAI, A Nossa Opinião ]

Main menu:

SEGURANÇA ONLINE

31 July 2009

O lançamento do Portal da Segurança teve considerável eco mediático, o que é uma preciosa ajuda à sua divulgação junto dos interessados. As notícias reflectiram com apreciável rigor o que a versão 1.0 do Portal já oferece, mas deram destaque justo às fucionalidades que integrarão a fase mais avançada de desenvolvimento do Portal.
A Lusa, p. ex.,fez a seguinte descrição do Portal e da sessão em que foi apresentado.

“Já é possível alertar a polícia através da Internet, recorrendo ao Portal de Segurança que serve para dar resposta mais rápida aos pedidos dos cidadãos. O ministro da Administração Interna, Rui Pereira, disse que o novo portal é mais “um passo de grande importância” para elevar os patamares de segurança e prevenção da criminalidade em Portugal.

O Ministério da Administração Interna lançou hoje o novo Portal da Segurança, uma ferramenta que tem como objectivo “agregar todos os meios disponíveis na Internet sobre segurança, disponibilizando aconselhamento e informação on-line sobre todos os temas de interesse no domínio da segurança aos cidadãos”.

Segundo o Secretário de Estado adjunto e da Administração Interna, José Magalhães, a quem coube fazer a demonstração desta nova ferramenta, o Portal de Segurança tirará partido “das redes de nova geração de alto débito e apresentará mais tarde, com o seu gradual desenvolvimento, um ‘call-center’ vídeo através do qual o cidadão pode dialogar, apresentar questões e pedir conselhos com imagem ao vivo”.

Falando na cerimónia de apresentação, o ministro da Administração Interna, Rui Pereira, destacou que o Portal é “mais um passo de grande importância” que vai permitir dar “informação rigorosa, específica e localizada aos cidadãos sobre os mais variados temas de interesse no domínio da segurança e aumentar a interactividade” com a população.

“Através deste Portal queremos reforçar o policiamento de proximidade, nomeadamente desenvolver o projecto Cidadão Responsável, através do qual as pessoas vão poder comunicar ocorrências e incidentes e sobre os quais vão obter respostas concretas e rápidas das entidades competentes”, precisou.

Mais conhecimento estatístico

O governante explicou que outro desafio “num futuro próximo” será a utilização desta ferramenta electrónica como “meio para dar informações sobre a criminalidade” em Portugal.

“Ainda vivemos numa fase muito recuada em relação aos números e estatísticas da criminalidade. Muitas vezes não os conseguimos dar tão depressa nem com tanta fiabilidade como gostaríamos”, disse, garantindo que o objectivo fixado passa por conseguir melhorar esta situação através do Portal de Segurança.

“No próximo ano cível, queremos já ser capazes de prestar (através do Portal) de forma rigorosa, actualizada e no menor tempo possível as estatísticas e os números sobre criminalidade, que são tão necessários”, referiu o governante.

Fazendo um balanço sobre as medidas tomadas pelo seu ministério nestes últimos quatro anos, Rui Pereira salientou que um dos “pontos marcantes” desta legislatura foi o “recurso às tecnologias como método de fazer evoluir as coisas no domínio da segurança”.

O governante destacou as “várias realizações que foram alcançadas no âmbito do Simplex”, nomeadamente a implementação de “programas ao serviço das próprias forças de segurança” e aqueles que “tornaram mais acessível aos cidadãos as prestações de segurança dadas pelo Estado”, como o “Perdidos e Achados” ou a “Queixa Electrónica”.

“É desta maneira que elevamos os patamares de segurança e prevenção da criminalidade”, salientou.

O Portal da Segurança apresenta conteúdos próprios utilizando as mais recentes ferramentas multimédia e as disponibilidades da Web 2 e tem em conta todos os extractos etários da população, incluindo os idosos e as crianças, às quais dedica um espaço próprio”.

Interessante, também, a síntese da SIC:

how to transfer prescriptions