imagem de topo do blog A Nossa Opinião; MAI - Liberdade e Segurança; 'Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e ideias por qualquer meio de expressão'.(artigo 19.º da Declaração Universal dos Direitos Humanos). [ imagem produzida pelos Gráficos à Lapa para este blog do MAI, A Nossa Opinião ]

Main menu:

SIRESP – repor a verdade

5 June 2008

1.O projecto SIRESP constitui uma parceria público-privada com a duração de 15 anos aprovada com o cumprimento integral de todos os procedimentos de ponderação e avaliação que a lei prevê para salvaguarda do interesse público.

 Os valores a investir para dotar o Estado Português de uma rede de comunicação de emergência com os mais elevados padrões de segurança respeitam à sua montagem e funcionamento durante o período de 15 anos. Ao contrário do insistentemente referido, o Estado não vai “pagar 5 ou 6 vezes mais” do que deveria. A negociação levada a cabo no ano de 2006 permitiu a diminuição do valor contratual inicialmente projectado, através do melhor aproveitamento dos recursos já existentes em infra-estruturas e da simplificação técnica das soluções, sem que daí resultasse redução das funcionalidades e da operatividade.

Por outro lado, foram acrescidas ao SIRESP, sem mais custos para o Estado, novas funções que não foram previstas nos estudos de 2001, das quais se destacam: – solução integral sobre IP, digital, com ganhos ao nível da interoperabilidade, da versatilidade e da interligação com outros sistemas, de forma robusta e fiável; – maior capacidade a nível da utilização dos dados; – facilitação da gestão e dos procedimentos de forma mais abrangente;  – aumento do nível de segurança, em especial quanto ao encriptamento da comunicação. Estas inovações estão documentadas, de forma inteiramente transparente, no dossier integral que sobre o tema se encontra acessível no site do MAI.

 2. Do ponto de vista financeiro o estudo realizado em 2001- na solução similar à agora escolhida e implementada – implicava custos de investimento de 134,33 milhões de euros e de exploração de 13 milhões de euros/ano.

A racionalização de recursos permitiu diminuir a despesa para 117,5 milhões de euros (no investimento), ou seja menos 13% e de cerca de menos 12% na exploração.

 3. Obviamente o SIRESP não é “gerido por uma só pessoa” como insolitamente  foi referido por um quotidiano. É gerido por uma Entidade Gestora, entidade pública, sediada na Direcção-Geral de Infra-estruturas e Equipamentos (DGIE).  A Entidade Gestora é composta por três membros e funciona em articulação com a Operadora, Siresp, SA no que respeita à disponibilidade do Sistema e fiabilidade das Comunicações. Integram esta gestão o Grupo de Telecomunicações que agrega os maiores utilizadores do Sistema e a Operadora, as entidades do Estado (nomeadamente PSP e GNR) e outras entidades de apoio técnico.

A Entidade Gestora dispõe de um Centro de Gestão onde é gerido o parque de utilizadores com Coordenador, 5 Supervisores e 12 operadores em regime de turnos, com um Centro de Atendimento 24h/24h para atendimento de todas as ocorrências e falhas de serviço. A operadora, dispõe de um Centro de Supervisão que permite gerir em tempo real a operacionalidade da Rede.

 4. O SIRESP está a ser desenvolvido como planeado e sem atrasos estando concluído nos distritos de Lisboa, Santarém, Portalegre e Leiria, seguindo-se – em 2008 e 2009 – os demais distritos e outras organizações que integram o Sistema (caso da Câmara Municipal de Lisboa e do Metro de Lisboa e do Porto) .

how to transfer prescriptions